Amazon: mais de 2 décadas de inovação com algoritmos para o Varejo Digital

Por viamaster

Quando observamos o histórico os trabalhos no aperfeiçoamento dos algoritmos de recomendações desenvolvidos pelo time a Amazon, entendemos o quanto os grandes varejos do Brasil precisam avançar no sentido de melhorar as vendas digitais e reais. A apresentação abaixo pode esclarecer muitos detalhes sobre a importância de se trabalhar a decisão baseada em dados.

O histórico da Amazon

Em 2017, tivemos um fato interessante em relação à revista IEEE Internet Computing. Para comemorar o seu 20º aniversário, seu conselho editorial decidiu identificar um único artigo de sua história de publicação que mais resistiu ao “teste do tempo”. A homenagem foi para um artigo de 2003 chamado “Recomendações da Amazon.com: Filtragem colaborativa item a item” (título original: Amazon.com Recommendations: Item-to-Item Collaborative Filtering), dos então pesquisadores da Amazon Greg Linden, Brent Smith e Jeremy York.

A jornada do time da Amazon para chegar ao algoritmo campeão de recomendação apresenta importantes aprendizados que pode ajudar bastante os profissionais que estão construindo soluções para o Varejo Digital.

Uma das importantes lições é sobre a forma de observar os acertos e os erros. O sucesso foi conseguido com a determinação em entender a melhor forma de lidar com o algoritmo, reformulando o problema para chegar aos resultados esperados. A evolução da jornada os levou a trabalhar com um codificador automático no qual o treinaram nos dados de exibição de filmes que haviam sido classificados cronologicamente. Durante o treinamento, o codificador automático viu os dados dos filmes que os clientes assistiram antes do horário limite. Mas foi avaliado em quão bem previu os filmes que eles assistiram no período de duas semanas após o horário limite.

Temos que nos reinventar para termos sucesso na era da Inteligência Artificial (Imagem cortesia do freepik)

Como a interface da Web do Prime Vídeo exibe seis recomendações de filmes na página associada a cada título em seu catálogo, os pesquisadores avaliaram seu sistema para saber se pelo menos uma das seis principais recomendações para um determinado cliente era de fato um filme que esse cliente assistiu no período de duas semanas após a data de corte. Por essa medida, o codificador automático não apenas superou a lista de mais vendidos, mas também superou a filtragem colaborativa item a item, de dois para um. Como Wilke colocou em re: MARS (evento da Amazon), “Tivemos um vencedor”.

As empresas podem fazer esta jornada de duas décadas em poucos anos

Apesar de observamos que o varejo no Brasil, em geral, situa-se com um grande atraso (talvez décadas) em relação ao “estado da arte” do Varejo Digital mundial, o conhecimento e as tecnologias para a transformação digital estão bem acessíveis. Então é possível evoluir algumas décadas em poucos anos. Um bom plano de transformação digital pode mudar a realidade das empresas em curto e médio prazo, apesar dos impactos mais significantes normalmente precisarem de prazos mais longos.

Podemos observar mais um caso de sucesso que está fundamentado no pilar básico de qualquer processo de inovação: a busca contínua por entender os problemas e a perseverança na pesquisa de soluções ágeis com maior impacto positivo possível.

A transformação digital de grandes empresas é um tema fascinante e continuaremos tratando em outros posts. Você pode encontrar mais detalhes sobre a jornada da Amazon neste link: https://www.amazon.science/the-history-of-amazons-recommendation-algorithm